Motores pequenos com turbo serão mesmo assim tão eficientes?

De há uns anos para cá, temos vindo a assistir ao downsizing dos motores a gasolina e à colocação de turbos, para compensar a baixa cilindrada. Se há 10 anos dizer que um motor 1.0 a gasolina tinha 140cv, era algo estranho, nos dias que correm, é algo bastante natural.

Mas será que diminuir o tamanho dos motores é uma solução assim tão eficiente? Em teoria sim, motores mais pequenos são sinónimo de motores mais leves, menos gastadores e acima de tudo mais baratos de manter.

Como um motor destes só por si, é demasiado curto para as exigências actuais, para dar mais alguma alma a estes motores subnutridos, são colocados turbos, que vão retirar mais potência destes motores, mas a que custo?

Já Subscrevam o nosso canal no Youtube?

A colocação de um turbo, faz com que  haja uma aumento da quantidade de oxigénio nos cilindros e um aumento da pressão, à medida que vamos acelerando.

No entanto, isto tudo significa também que irá existir um aumento da temperatura no cilindro, o que  faz, com a mistura ar/combustível fique mais instável e a mistura expluda antes do tempo. Isto leva a  um mau funcionamento do motor, podendo mesmo, levar a graves falhas mecânicas.

Para corrigir este problema, as marcas são obrigadas a reduzir a pressão do turbo, o que consequentemente, irá afectar a eficiência do motor, no que toca à potência produzida.

Outra solução para resolver este problema, passa por injectar mais combustível, aumentando assim, a riqueza da mistura.

Por muito estranho que pareça, o combustível ao ser injectado, sofre uma diminuição da temperatura, logo ao injectarmos mais combustível, conseguimos diminuir a temperatura do cilindro, tornando a mistura mais rica e ao mesmo tempo mais estável.

Veja ainda: Porque é que a cilindrada de um motor e porque é que nunca é exacta?

E é aqui, que perdemos eficiência neste tipo de motores, embora em baixas rotações consigam ter bons consumos, à medida que vamos acelerando, acaba por ser injectado mais combustível, do que aquele que seria realmente necessário, levando a um aumento dos consumos.

Um motor atmosférico embora tenha mais cilindros e uma maior capacidade, a altas rotações, consegue ter menos combustível injectado por cilindro, do que num destes motores turbo de três cilindros.

Para entenderem melhor este processo, fica um vídeo do canal Engineering Explained.

Relacionados com esta noticia

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notificar de