Será que existe problema em saltar mudanças numa transmissão manual? Teoricamente, as transmissões manuais foram desenhadas com a flexibilidade em mente, de forma a dar o poder de escolha ao condutor, mas isso não quer dizer que o devemos fazer livremente.

O saltar mudanças, pode ser feito tanto no sentido ascendente, como no sentido descendente, ou seja, aumentando ou reduzindo velocidades.

Ao aumentarmos velocidades (passar por ex de 2ª para 4ª velocidade), não existe grande problema, apenas sentimos um pequeno solavanco ao levantar a embraiagem, para evitar isso, devemos esperar até as rotações baixarem um pouco, visto estarmos numa mudança mais alta, as rotações deverão ser mais baixas. A longo prazo, poderemos vir a ter um desgaste prematuro da embraiagem.

O movimento que mais vezes acabamos por fazer, é a redução de velocidades, quer seja para fazer uma ultrapassagem, ou apenas para reduzir velocidade.

Ao efetuarmos uma redução (passar por ex de 4ª para 2ª velocidade) , devemos sempre acelerar um pouco o carro, para que o motor fique numa rotação que esteja dentro da faixa de utilização da mudança que escolhemos, para assim, evitar que o carro fique desequilibrado, diminuímos ainda o stress causado nos componentes, em casos em que se siga a uma velocidade mais elevada, esta pratica evita que as rodas bloqueiem, o que faria com que se perdesse o controlo do carro.

Em casos mais extremos, em que as reduções são feitas à bruta e se  passa de 5ª para 2ª  velocidade a rotações elevadas, o risco de danificar a transmissão do vosso carro é demasiado grande. Por experiência própria, não é um resultado bonito, mas entre partir a embraiagem ou enfiar-me na traseira de um camião, que me impediu a passagem numa ultrapassagem, uma embraiagem nova foi o menor dos meus problemas.

Existe ainda o cenário em que se arranca em 2ª velocidade, esta também é uma prática algo comum,  mas requer sempre um maior esforço por parte da embraiagem, pois é necessária uma aceleração maior, do que se arrancasse em 1ª velocidade.

Para explicar um pouco melhor, deixamos um vídeo do canal Engineering Explained, onde este tema é abordado.

Sigam-nos no Facebook  e subscrevam o nosso canal no Youtube