Audi renova aposta no hidrogénio

Audi

A Audi deve intensificar o desenvolvimento da tecnologia de célula de combustível hidrogénio, de acordo com um anúncio público do presidente Bram Schot.

As razões por trás da mudança incluem preocupações sobre o fornecimento de recursos naturais para a produção de baterias e dúvidas sobre se os carros eléctricos serão capazes de atender às expectativas cada vez mais exigentes dos clientes.

 

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

 

Como resultado, a empresa alemã restabelecerá seu programa h-tron num movimento planeado para o tornar no centro de competência para a tecnologia de célula de combustível hidrogénio dentro do Grupo Volkswagen.

“Nós realmente queremos acelerar”, disse Schot. “Vamos colocar mais prioridade nas células de combustível hidrogénio, mais dinheiro, mais pessoas e mais confiança”.

Schot confirmou que um novo protótipo deste tipo de célula da sexta geração será revelado ainda este ano. Ele acrescentou que um modelo limitado com este tipo de célula, Audi FCEV (veículo eléctrico a célula de combustível), poderia ser oferecido aos clientes como parte de um programa de aluguer até 2021. Espera-se que seja produzido numa linha dedicada na fábrica da Audi em Neckarsulm na Alemanha, local actualmente se produz o A6, A7 e A8.

Um cronograma para a produção em volume dos modelos Audi FCEV ainda não foi decidido, mas Schot está confiante de que isso poderia ocorrer durante a segunda metade da próxima década. A nova tecnologia de célula de combustível é desenvolvida a partir de um contrato de licenciamento cruzado com a Hyundai, que já vende o Nexo SUV. As duas empresas anunciaram uniram forças no desenvolvimento do FCEV em Junho do ano passado.

No desdobramento de 2016, do conceito de célula de combustível h-tron, a Audi reivindicou um alcance de até 600 kms. Crucialmente, também prometia um tempo de reabastecimento de apenas quatro minutos.

A decisão de avançar com o desenvolvimento de células de combustível vem no meio de uma ofensiva mais ampla de 12 biliões de libras, na qual a Audi lançará até 12 modelos movidos a bateria puramente eléctricos até 2025.

Audi

Schot, que sucedeu Rupert Stadler como presidente da Audi em Janeiro, apontou para a escassez de materiais e dúvidas subsequentes sobre o fornecimento de baterias de grande volume como apenas duas preocupações para os fabricantes de automóveis.

“Se esta modalidade está aqui para ficar, então terá que tentar encontrar a maneira mais eficaz e eficiente para conduzir carros eléctricos”, disse ele. “E então vemos que pode ser as células de combustível de hidrogénio.”

Os planos para intensificar o desenvolvimento de hidrogénio na Audi também se concentram nas tentativas de criar maior alcance e diminuir a exigência de carga durante longas viagens e no tempo frio.

Numa extensão do seu programa anterior, o sistema de célula de combustível de hidrogénio de sexta geração da Audi incorpora uma bateria que pode ser carregada por meio de uma tomada como parte de um sistema híbrido.

Dependendo do modelo, a capacidade da bateria é de 35-40kWh, significativamente menor do que o E-tron totalmente eléctrico da Audi, a 95kWh.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notificar de