e-booster

Quando o primeiro protótipo do e-booster apareceu, as comparações com os turbos convencionais, revelaram rapidamente, a melhoria que eles produziam no comportamento dos motores a diesel.

Nessa altura, os turbos accionados por um motor elétrico, e não por gases de escape, eram usados ​​por breves momentos, até que o turbo estivesse pronto para entrar em acção.

O e-booster sofreu uma evolução e pode agora, eliminar completamente os a necessidade de usar um tubo convencional, que é accionado pela energia liberada pelos gases de escape.

Num turbo convencional, quanto maior for a rotação do motor, maior será a pressão dos gases de escape e mais rapidamente, o turbo irá ser accionado.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Quando o motor não está num regime tão alto, existe menos pressão dos gases de escape e a resposta do turbo acaba por ficar mais lenta. Os motores a diesel, são mais eficientes termicamente do que os motores a gasolina, logo, existe uma maior quantidade de combustível a ser convertido em energia mecânica do que em calor, o que faz com que os gases de escape, libertem menos energia.

Então, quando um motor diesel está a trabalhar, o seu sistema de turbo, acaba por demorar mais tempo a reagir e aí, é que o e-booster pode preencher essa lacuna, dando melhores tempos de resposta.

Um dos maiores inimigos de um sistema elétrico desta natureza, é o calor que ele gera e os controladores do e-booster não são excepção. A Aeristech, repensou o design dos componentes eléctricos do e-booster, de forma a diminuir a quantidade de calor que este gera, sem por em causa o seu funcionamento.

Um dos maiores inimigos de um sistema elétrico desta natureza, e por isso mesmo, o e-Booster teve que ser desenvolvido de forma a que o calor não interferisse com o seu bom funcionamento. A nova arquitetura elétrica do e-Booster, separa o controlo das rotações do motor, da quantidade de binário que este gera. Normalmente, ambos são controlados da mesma forma, mas sob a nova arquitectura, a quantidade de calor gerada pelo controlador é drasticamente reduzida.

Não apenas o motor pode funcionar por mais tempo, como também, pode funcionar de forma mais rápida do que o habitual. Normalmente, os e-boosters funcionam até às 70.000 rpm, no entanto, com o novo design, não existem limites eletrónicos e os e-boosters de 48V, foram projectados para irem até às 120.000 rpm.

O benefício de mudar para um e-booster é atraente em vários níveis. Estes poderiam ser usados em pequenos motores a gasolina, que, como nos motores a diesel, produzem menos pressão nos gases de escape em baixas rotações.

A remoção do turbo do sistema de escape, significa que o catalisador pode ser movido para mais perto do motor, para assim, limpar as emissões dos gases de escape de forma mais eficiente. Ele também elimina a contra-pressão no escape causada pelo turbo, que ironicamente, pode prejudicar o consumo de combustível.