coronavirus

Qualquer pessoa que entre num carro estacionado num dia de sol, sabe bem o que é entrar num autêntico forno, especialmente, se for um dia tórrido de verão. Todos sabemos, o quão perigoso um carro quente pode ser para uma criança ou um animal de estimação, caso estes fiquem lá fechados durante algum tempo, portanto, vamos deixar aqui apenas um esclarecimento, para que não restem dúvidas. Não deixem crianças, animais ou produtos sensíveis ao calor dentro de um carro quente para desinfetá-los do coronavírus.

Dito isto, um novo estudo da Universidade da Geórgia, sugere que o efeito estufa criado dentro do nosso carro, resultante das radiações do sol que passam pelos vidros do carro, poderia matar o vírus que causa o COVID-19.

Mesmo num dia ameno com 21ºC de temperatura exterior, o interior de um carro, caso deixado ao sol, podem ultrapassar os 45º C. Já num dia com temperaturas a rondar os 26º, que é a temperatura média de um dia de verão, o interior do carro pode ultrapassar os 50ºC. Tudo isto em apenas uma hora.

Segundo o estudo, o mesmo efeito que pode causar insolação e morte a organismos multi-celulares, faz a mesma coisa com o novo vírus SARS-CoV-2.

O estudo realizado pela Universidade da Geórgia, afirma que o calor reduz drasticamente a quantidade de tempo necessário para eliminar o vírus. Embora este possa sobreviver em algumas superficies até 3 dias, a temperaturas de 45ºC, 99% das moléculas do vírus desaparecem em apenas 20 minutos.

Quanto às mascaras que agora vemos penduradas nos retrovisores dos carros, a sua exposição ao sol, também pode ajudar a eliminar vestígios do vírus, caso estas fiquem no carro durante algumas horas.