carros autónomos

Embora os veículos autónomos sejam uma grande promessa, na redução dos níveis de sinistralidade, um estudo realizado nos USA, revela que esta tecnologia só por si, pode não ser assim tão eficaz quanto se pensa.

Especialistas em segurança automóvel, dizem que os seres humanos causam cerca de 94% dos acidentes, mas segundo este novo estudo, os veículos autónomos, poderão conseguir prevenir apenas cerca de um terço deles.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Embora os veículos autónomos acabem por identificar perigos e reagir mais rápido que os humanos, evitar o resto dos acidentes será muito mais difícil.

Foram estudados mais de 5000 acidentes, onde as suas causas foram detalhadas e catalogadas, separando os causados ​​por erros de “detecção e percepção”, como distração do condutor, visibilidade prejudicada ou falha em detectar perigos.

No estudo foram também separados os acidentes causados ​​por “incapacitação” humana, onde se incluem os acidentes provocados por álcool ou drogas, aqueles que adormeceram ao volante ou aqueles que foram causados por problemas de saúde do condutor.

Embora os carros autónomos sejam capazes de prevenir este último tipo de acidentes, estes podem não ser capazes de impedir o resto, incluindo erros de antecipação dos perigos, como avaliar incorrectamente a velocidade com que outro carro segue, conseguir adequar a velocidade às condições da estrada ou até mesmo, erros de execução onde se incluem manobras evasivas incorretas ou outros erros no controlo dos carros.

Por exemplo, se um ciclista ou outro carro se desviar repentinamente no caminho de um veículo autónomo, ele poderá não ser capaz de parar rápido o suficiente ou se afastar a tempo de evitar uma colisão.

O número de acidentes evitados depende muito de como os veículos autónomos são programados. Se a inteligência artificial permitir que eles conduzam e reajam mais como seres humanos, mais acidentes serão evitados.

Para que os carros autónomos sejam realmente eficazes, todos os veículos na estrada deveriam ser automatizados, pois o factor humano diminui consideravelmente a taxa de sucesso destes carros.