Incentivos para o abate Parque automóvel

Um estudo da ACAP, revela o estado do parque automóvel em Portugal, onde 1 em cada 6 carros tem mais de 20 anos. Os preços dos impostos, são a principal razão para que o nosso parque automóvel seja composto por carros tão velhos.

Segundo o estudo, a idade média dos carros em Portugal, subiu dos 12,6 para os 12,7 anos. Isto, faz com que o parque automóvel português, seja o mais envelhecido de toda a Europa Ocidental e um dos mais velhos, de todo o continente, só ficando à frente dos países de leste.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Tendo em conta que Portugal tem actualmente 6,5 milhões de carros registados, a percentagem de carros com mais de 20 anos ronda os 15,4%, ou seja, mais de um milhão de carros, dos quais apenas uma pequena parte, são carros clássicos ou carros com interesse histórico.

Numa altura em que toda a Europa tenta renovar os seus parques automóveis, de forma a diminuir os gases poluentes, Portugal aparece na cauda do pelotão, sendo um dos países onde existem menos incentivos fiscais, para incentivar a compra de carros menos poluentes.

Quando comparado com os restantes países europeus, Portugal acaba mesmo, por ser um dos países, onde a compra de carro novo é mais penalizada com impostos, que agravam severamente o preço final a pagar pelo consumidor.

Isto, aliado aos baixos salários que se praticam no nosso país, faz com que comprar carro novo, não esteja possível para muitas famílias. Todos estes factores, fazem com que os carros usados no nosso país mantenham o seu valor durante mais tempo, pois o mercado interno, acaba por se alimentar de carros usados, ou de carros importados, que são adquiridos por preços mais baixos.

De acordo com a ACAP, se 25 mil automóveis com mais de 20 anos fossem abatidos, podiam gerar uma receita fiscal líquida de mais de 83,5 milhões de euros para o estado.

Para começar a diminuir a idade do parque automóvel português, seria necessário abater 330 mil viaturas, para que a idade média pudesse diminuir um ano.

O regresso do incentivo ao abate de carros antigos, poderia ser uma boa opção, quer para os proprietários como para o governo. No entanto, essa ajuda, teria que ser acompanhada de uma baixa nos impostos cobrados, pois tal como referido anteriormente, estes, são uma fatia bastante considerável no valor a pagar por um carro novo.