Combustíveis sintéticos

Não somos nós que afirmamos, é a Porsche! Sim, a marca alemã tem investido cada vez mais nesta tecnologia e tem a certeza, que os combustíveis sintéticos, poderão mesmo ser uma opção viável no futuro.

Quando se pensava que os motores a combustão interna têm os dias contados, começam a surgir notícias que afinal, estes poderão vir a ter uma nova oportunidade.

A Porsche tem estado a trabalhar, numa solução para ciar um combustível sintético, que durante a sua utilização, consegue ser tão limpo quanto um carro eléctrico.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Numa entrevista à Evo, o Dr. Frank Walliser, vice-presidente da divisão de competição da Porsche, afirmou que a empresa tem trabalhado no desenvolvimento de um combustível sintético, cujas emissões, são neutras em carbono.

Os testes deve começar já em 2022, e será possível usar este combustível em qualquer carro de combustão interna, sem ter que passar por um longo e caro processo de conversão.

“Os combustíveis sintéticos são muito importantes para nos permitir reduzir as emissões de CO2. As emissões são muito melhores do que com os combustíveis atuais, emitindo menos partículas e menos NOx produzido. Os combustíveis sintéticos têm de oito a dez componentes, enquanto a gasolina, tem entre 30 a 40”.

“O combustível sintético é mais limpo, quando iniciarmos a produção total, esperamos uma redução de CO2 em cerca de 85%. Este será o mesmo nível de CO2 produzido na fabricação e uso de um veículo elétrico.”

Claro que este processo ainda vai demorar algum tempo e irá ter um custo bastante elevado, no entanto, a Porsche está confiante de que o retorno será positivo quer para o mercado automóvel, como para o meio ambiente.

Muitas pessoas ainda relutam em desistir dos veículos com motores a combustão, uns por falta de soluções no que toca ao carregamento, outros porque simplesmente, não gostam dos carros eléctricos.

Embora os combustíveis sintéticos não venham para substituir ou eliminar os carros eléctricos, são mais uma alternativa, para que consigamos fazer uma transição energética, para tecnologias mais ecológicas e amigas do ambiente.

Esta será também uma maneira mais ecológica, de manter na estrada milhares de carros clássicos e desportivos, que de outra forma, com as apertadas regras de neutralidade carbónica, que têm vindo a ser apresentadas, se viam impossibilitados de circular, dentro de poucos anos.