Numa altura de eleições em que 90% das estradas se encontram em obras, é fácil imaginar que em algum ponto do nosso percurso, vamos encontrar estradas esburacadas e piso em mau estado, mas pior do que isso é quando um buraco ou um objecto surge de forma inesperada no nosso caminho e danifica a nossa viatura.

Caso isso vos aconteça, não desesperem, pois pode haver uma maneira, de não serem vocês a arcar com os custos da reparação da viatura e esses custos serem imputados à entidade responsável, quer seja esta uma junta de freguesia, uma Câmara municipal, ou até mesmo, uma concessionária de uma auto-estrada.

Em primeiro lugar, é preciso agir de cabeça fria e não deixarem a raiva e o desespero assumir o controlo, devem recolher o máximo de provas possíveis, que provem que o dano foi provocado por uma situação que não foi provocada por vocês.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Depois de recolhidas as provas, devem chamar as autoridades para que seja feito o levantamento do auto e posteriormente, devem descobrir qual a entidade responsável pela manutenção da via e fazer-lhes chegar essas provas, assim como, a reclamação a exigir o pagamento.

Caso o incidente ocorra numa auto-estrada e envolva animais selvagens, devem chamar de imediato o piquete de assistência da concessionária, assim como a GNR. Devem tirar ainda fotos ao animal, pois em muitos casos, existem acidentes com animais de grande porte, que mesmo depois de feridos, estes acabam por fugir. Caso não existam provas que o sinistro foi provocado por um animal, muitas das vezes a empresa responsável da concessão, não assume os danos da viatura.

O mesmo acontece quando os danos são provocados pela projecção de pedras por outra viatura, nesse caso, deverá ser feita a identificação do carro responsável, para que os custos lhe sejam imputados.

Caso todo este processo decorra sem problemas, irá ser feita uma peritagem para que os danos da viatura sejam avaliados e posteriormente reparados pela entidade responsável.

Claro que este não é um processo fácil e existem muitas variáveis a jogar contra nós, mas a realidade é que um incidente provocado pelo mau estado da estrada, ou outro elemento externo, nem sempre resulta numa despesa ao nosso encargo.