motores v8

Numa altura em que vivemos uma verdadeira transição energética, soluções que passem por grandes blocos a gasolina parecem ter os dias contados, mas o patrão da AMGPhilipp Scheimer, diz que motores como o V8 utilizado pela divisão desportiva da Mercedes, ainda vai ter bastante vida e não irá deixar de estar presente na gama de modelos da AMG, mesmo quando a Daimler, a empresa mãe, se vai preparando para adoptar soluções 100% eléctricas em quase todos sos seus modelos.

Numa entrevista dada recentemente, quando questionado sobre o futuro dos motores V8, o patrão da AMG diz acreditar que pelo menos nos próximos 10 anos, este bloco irá continuar a ser utilizado, pois a procura e o interesse em carros com este tipo de arquitectura vai continuar a existir durante os próximos anos.

Mesmo que a AMG não desenvolva um novo motor V8, os engenheiros da marca continuam a explorar o bloco, de forma a actualiza-lo. Para além disso, recorrendo a sistemas híbridos plug-in, este motor ganha um novo fôlego quer no que toca à potência combinada, como no que às emissões diz respeito, tornando-o numa solução menos poluentes.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Um exemplo desta combinação é o AMG GT 63 S E-Performance, onde o motor V8 em combinação com um motor eléctrico colocado no eixo traseiro, conseguem produzir até 831cv e 1400Nm de binário, tornando-o no AMG mais potente produzido até hoje.

Embora o V8 continue a ter espaço na gama de modelos da AMG, a sua utilização vais ser cada vez mais restrita e apenas em modelos mais exclusivos. O caso do AMG C63 e GLC63, irão deixar de utilizar o motor V8 e em sua vez, passarão a equipar uma variação do motor de 4 cilindros que encontramos no AMG A45s. O E63 deverá ser o próximo a perder alguns cilindros, mas ainda não se sabe se isso acontecerá já com o modelo da próxima geração.

A Mercedes expressou o seu interesse em se tornar totalmente elétrica até o final desta década, pelo menos, “onde as condições de mercado permitirem”. Claro que a utilização destes motores um dia chegará ao fim, caso as marcas mantenham a aposta nos veículos 100% eléctricos e mesmo a AMG, que é tida como sendo uma marca de desportivos, já entrou também no segmento dos eléctricos com o EQS 53 e com o EQE 53. Certamente não se ficará por aqui, resta saber quanto tempo irá demorar até abandonar por completo os motores consumidores de octanas.