preço dos combustíveis

O preço dos combustíveis deverá voltar a subir na segunda-feira, pela nona semana consecutiva, esta variação deverá ser de 3 cents no gasóleo e 3,5 cents na gasolina. Os analistas dizem que a escalada vai continuar e que os próximos aumentos poderão ser ainda maiores. Este aumento do preço dos combustíveis está relacionado com o preço do barril de petróleo, que está cada vez mais perto dos 100 dólares.

Durante o ano de 2022 só tivemos subidas no preço dos combustíveis, desde o início do ano, o preço do gasóleo já aumentou perto de 16 cents para o gasóleo simples e perto de 15 cents para a gasolina simples, sendo comercializados actualmente em média a 1,65€/Lt e 1.806€/Lt respectivamente.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

A situação económica actual e o conflito na Ucrânia têm vindo a agravar a escalada nos preços dos combustíveis e os analistas, avisam que os aumentos não irão ficar por aqui.

Mas se olharmos para os dados com um pouco mais de atenção, verificamos que estes motivos não podem ser a desculpa para o preço dos combustíveis em Portugal. Se olharmos para a variação de preços no último ano, segundo dados da DGEG, o preço do gasóleo simples e da gasolina simples 95, aumentaram cerca de 40 cents/Lt.

Se o valor do aumento já parece alto, se fizermos a conta, sobre qual é o peso na nossa carteira, ao fim de atestar um carro, num depósito de 55 litros, gastamos mais 22€ por depósito do que no início de 2021.

Para tentar atenuar a subida do preço dos combustíveis e mais importante, o descontentamento público antes de eleições, o governo criou o IVA Voucher, onde existe uma compensação de 5€ atribuída no primeiro abastecimento de cada mês e estipulou por decreto, uma diminuição do ISP em 1 cent para o gasóleo e 2 cents para a gasolina, medidas que irão estar em vigor até final de Abril de 2002, mas que se tornam muito curtas e praticamente insignificantes, dado os aumentos que se têm verificado.

A forte carga fiscal ajuda a explicar o porquê de pagarmos um dos combustíveis mais caros da Europa, tendo em conta o poder de compra e o salário médio do nosso país. Em cada litro de gasolina simples, 57% desse valor vai directamente para o estado, enquanto que no gasóleo simples, a fatia que representa a carga fiscal encontra-se nos 52%.

Enquanto o governo Português não prescindir desta receita, o preço dos combustíveis não irão parar aumentar a um ritmo demasiado alto, pois se do lado do produtor existir um aumento, para o consumidor final, o aumento vai ser ampliado em cerca de 50%, pois é a parte pertencente ao estado no que toca a impostos. O que acaba por ser bastante perverso, pois quanto mais o preço dos combustíveis aumentar, mais o governo arrecada em impostos.