carro desengatado

Numa altura em que os preços dos combustíveis continuam altos, qualquer dica que nos permita poupar combustível é sempre bem vinda, mas será que conduzir com o carro desengatado numa descida, permite poupar combustível?

Este é um daqueles mitos que geram alguma discussão, quando surgem numa conversa, a verdade, é que uns abonam a favor e outros não, dizendo ainda, que esta prática poderá resultar em possíveis problemas mecânicos para o carro.

A lógica parece ser simples, quanto mais carregamos no pedal do acelerador, mais combustível gastamos, por isso, à primeira vista, parece um pouco lógico colocar o carro em ponto morto numa descida e assim, aproveitar o acelerador natural, que é a gravidade, para fazer com que o carro acelere ou pelo menos, mantenha a velocidade.

No entanto, nos carros modernos com injecção electronica, estes não necessitam de injectar combustível, para manter o motor a trabalhar. Ao ter o carro engatado, especialmente em relações mais baixas, o carro vai acabar por travar, pois a resistência do motor, faz com que este abrande, por isso, colocando o carro em ponto morto, essa resistência deixa de existir ficando o carro “solto”.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Não existindo resistência, o carro acaba por percorrer uma maior distância sem necessitar que se tenha que acelerar para manter a velocidade. No entanto, o carro é afectado mais facilmente pelas condições da estrada, perdendo tracção e consequentemente aderência.

Com o carro desengatado, o tempo de reação aumenta e em situações de emergência, é mais difícil de imobilizar o carro, pois a distância necessidade para o poder imobilizar aumenta consideravelmente, pois apenas conseguimos utilizar os travões para tentar parar o carro, não existindo a força de travagem proveniente do motor.

Isto faz com que haja um maior desgaste dos travões e sempre que voltamos a engatar o carro numa mudança, a embraiagem vai sofrer um maior stress devido às forças exercidas dobre ela, por isso, caso façam esta prática, devem ter sempre em atenção qual a mudança que irão engatar e escolher uma que se adeqúe à velocidade à qual seguem. Se engrenarem uma mudança baixa, enquanto seguem a uma velocidade alta, durante o ponto morto, poderão muito bem danificar gravemente a vossa viatura.

Em carros mais modernos, existe já a tecnologia, onde automaticamente são desligados alguns cilindros, para que o carro siga em modo de “coasting”, permitindo assim, que haja uma poupança no consumo de combustível.

Em suma, conduzir com o carro desengatado em descidas poderá efectivamente representar alguma poupança no que toca ao consumo de combustível, no entanto, os perigos que esta prática acarreta e o aumento de desgaste em alguns componentes do carro, tornam esta solução inviável a longo prazo, pois os custos de reparação, não compensam a poupança no combustível.