Desde há uns anos para cá, as marcas têm desenvolvidos os carros para que os seus planos de manutenção incluam revisões mais espaçadas usando óleos long range. Para isso, quer os óleos como os componentes dos carros, passaram a ser desenvolvidos de forma a estarem preparados para aguentarem mais quilómetros entre revisões, mas será que este maior espaço de tempo e quilómetros trás consequências para o motor a longo prazo?

Num vídeo recente do canal The Car Care Nut no YouTube, um experiente mecânico especializado em Toyotas, que atende pelo nome de AMD, mostra o que pode acontecer com o interior de um motor que efectuou sempre revisões mais espaçadas.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Para este exemplo, o mecânico utilizou um Toyota Camry de 2015 com cerca 280.000 quilómetros, onde teve todas revisões feitas atempadamente e de acordo com a marca, de 16000 em 16000 kms. No entanto, por perto dos 193.121 km, o carro começou a queimar óleo. De início, cerca de um quarto de litro a cada 1.609 km, no entanto, por perto dos 241.401 km, o carro começou a ter um consumo muito mais elevado chegando a consumir o triplo do consumo inicial.

No vídeo, é mostrado exactamente o que estava a causar a queima do óleo. Existiam marcas de desgaste em duas das paredes dos cilindros, por onde o óleo pode passar pelos anéis do pistão e entrar na câmara de combustão.

Ele atribui os danos nas paredes do cilindro às trocas de óleo muito espaçadas, pois o óleo acaba por perder as suas propriedades, o que leva a um desgaste muito prematuro do motor. Para evitar que isso aconteça, este especialista recomenda trocar o óleo a cada 10000 quilómetros ou a cada seis meses.

Embora os seis meses possam parecer demasiado curtos e este período possa parecer ser bastante preventivo, o habitual será sempre trocar o óleo todos os anos mesmo que os quilómetros do intervalo de revisão ainda não tenham sido atingidos.

Caso queiram ser conservadores e efectuar uma troca de óleo de seis em seis meses, embora possa parecer excesso de zelo, se compararmos o preço de uma revisão, com o preço da reconstrução de um bloco do motor, este custo anual poderá ser um bom investimento, se isso significar poupar o motor do nosso veículo.