Dacia Manifesto

Dacia é cada vez mais uma marca que deixou de ser o “patinho feio” do parque automóvel europeu e atingiu a um ponto de viragem, que pode vir a fazer a diferença no futuro da marca. Nos últimos meses, mudou o seu logótipo, as linhas utilizadas nos seus modelos, a imagem como a marca se apresenta aos seus consumidores também mudou e mais importante do que tudo isso, a qualidade dos seus carros cresceu consideravelmente.

A marca romena vive um capitulo especial na sua história, momento esse que se destacou com um evento especial em Paris no dia 14 de setembro, inserido no mantra da Renaulution, a revolução do grupo Renault (ao qual a empresa romena pertence), o plano estratégico atribui objetivos específicos a cada marca. 

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

Para a Dacia, o objectivo é tornar-se a líder da chamada mobilidade acessível, oferecendo soluções a baixo custo, sem diminuir a qualidade final do produto. Tudo isto, graças a carros essenciais, práticos e confortáveis, que servirão para bater a marca de 7,5 milhões de viaturas vendidas em 18 anos.

Durante este evento que decorreu no salão automóvel de Paris, a Dacia apresentou um concept car orientado outdoor, o Dacia Manifesto. Definido como um laboratório de ideias, algumas das quais, podem ser usadas no futuro em modelos da marca. 

Esta espécie de buggy, encarna os valores da marca, em nome da simplicidade: não tem para-brisas, tem tração integral e equipa uns enormes pneus airless. Este é também um carro sustentável, a carroçaria é feita maioritariamente de plástico reciclado e o habitáculo, está amplamente equipado com materiais naturais como a cortiça.

O protótipo romeno torna a condução muito especial ao poder experimentar a natureza e o meio ambiente quase à superfície. Na verdade, muitos elementos são projectados para esses tipos de aventuras.

O Manifesto tem apenas 3,0 metros de comprimento e promete muita leveza. Não foram divulgadas informações acerca de possíveis motorizações, mas sendo um carro com foco na sustentabilidade, possivelmente os criativos da Dacia pensaram numa alternativa eléctrica.