iões de sódio

O mercado de baterias está a crescer de forma bastante acelerada, no entanto, os materiais usados na sua produção, requerem extracção mineira, que muitas fezes trazem complicações ao nível ambiental, com o aumento da poluição na zona a ser explorada e a contaminação dos lençóis freáticos. Na busca de uma solução para este problema, a Universidade Humboldt em Berlim, lançou um projecto destinado a desenvolver baterias de iões de sódio, de forma a que estes se tornem viáveis, podem substituir as actuais baterias de iões de lítio.

Nestes estudos, os cientistas alemães começaram a avaliar as características e o desempenho das células de iões de sódio, com novas soluções, tanto para serem usados como eletrólitos, como para a composição química dos eléctrodos. O objetivo é obter um produto que possa atender às necessidades de um carro elétrico, reduzindo a quantidade de materiais que necessitem de exploração mineira e cuja reciclagem, seja feita de forma mais simples e com impacto mais reduzido para o ambiente.

Já subscreveram o nosso canal no Youtube?

O método utilizado pela equipa de pesquisa, que trabalha no projeto desde 2020, chama-se intercalação e envolve o uso de iões de sódio através uma rede cristalina. A novidade é que este novo processo, passa também a usar iões de sódio para o eléctrodo positivo, quando até aqui, eram usados apenas para o eléctrodo negativo. A escolha do sódio passa acima de tudo, pelo facto de este ser um elemento abundante e fácil de encontrar, como por exemplo no sal da água do mar.

Esta tecnologia irá permitir melhorar significativamente a eficiência da bateria, que apresenta melhor desempenho e também uma maior faixa de utilização no que diz respeito às temperaturas, podendo suportar carregamentos mais rápidos sem que exista degradação da mesma.

Embora ainda seja um projecto numa fase inicial, o grande objectivo, é dar à Europa a capacidade de desempenhar um papel importante no futuro da mobilidade, e assim, deixar de estar dependente de mercados externos, como é o caso da China, que cada vez mais, se impõe como um dos países onde a produção de componentes para carros eléctricos tem vindo a aumentar.